Jiu Jitsu

Há muitos mitos sobre a história do Jiu-Jitsu, Judô e outras artes marciais japonesas. O fato é que entender a história do Jiu-Jistu é entender a história do Judô, do Brazilian Jiu-Jitsu, do Aikidô, e diversas outras artes marciais japonesas. E conhecer a história de uma luta é conhecer melhor a luta, entender porque existem determinados golpes, determinadas regras, determinados nomes, de modo que é isso faz com que o atleta se torne um melhor atleta e também um melhor professor.

Estamos em pleno século XXI, era da informação e conhecimento, de modo que hoje, é fácil ter acesso a documentos históricos e a pesquisadores sérios, sendo que se torna fácil perceber o que é mito e o que é história no que diz respeito às artes marciais. Um dos principais mitos sobre o Jiu-Jitsu é o que diz que o Jiu-Jitsu surgiu na índia antiga, se propagou pela ásia, dando origem à todas as artes marciais asiaticas e chegou depois ao japão. Não é preciso voltar a uma história antiga indiana para compreender o erro deste mito. Basta entender o significado do termo jiu-jitsu e olhar um pouco a história do próprio japão.

 

O que significa “Jiu-Jitsu”?

O termo “Jiu-Jitsu” é a maneira ocidental de se falar e escrever o termo japonês, formado por ideogramas chineses, “ju-jutsu”, que significa “tecnica suave” ou mesmo “arte suave”. Este conceito de tecnica suave, ou arte suave é um conceito que existe em mais de 90% das artes marciais existentes no globo terrestre, que é o conceito de – a grosso modo – usar a força do oponente a nosso favor. Esse conceito pode ser encontrado em artes marciais chinesas, coreanas, russas, e até mesmo nas antigas artes marciais indígenas brasileiras. Não é um conceito próprio ou característico de uma luta só. Outros nomes também eram usados para designar as artes marciais japonesas, como taijustu, yawara, kogusoku, torite e kempo, entre outros, mas todos eram escolas de jiu-jitsu.

 

Jiu-Jitsu é o nome de uma arte marcial?

Na verdade não. O jiu-jitsu (ou jujutso – mas daqui em diante usarei o termo em português jiu-jitsu) não é um termo que define uma única arte marcial. É semelhante ao termo “Kung Fu”. Kung Fu não é o nome de uma arte marcial, mas sim, o nome de um conjunto de artes marciais chinesas, como o Tai Chi Chuan, Shuai Jiao (também conhecido como Judô chinês, pela ênfase em nage-waza), Wing Chun e Louva-a-Deus, por exemplo. Da mesma forma, o jiu-jitsu é o nome de um conjunto de artes marciais japonesas de ataque e defesa sem armas ou com armas curtas.

Muitas escolas antigas de Jiu-Jitsu faziam coisas bastante diferentes uma das outras e utilizavam o termo “jiu-jitsu” para denominar-se, enquanto outras escolas faziam coisas muito semelhante entre sí e usavam termos distintos. Mas independente disso, todas eram escolas de jiu-jitsu. Alguns exemplos destas escolas (em japonês, “ryu“) de jiu-jitusu antigo (jujutsu koryu) são:

Takenouchi-ryu – Fundada em 1532, esta escola de jiu-jitsu utiliza treinamento sem armas e também com armas como o bastão (bojutsu), espada (kenjustu) e também a arte de amarrar com cordas (hojojustu). É uma das mais antigas escolas de jiu-jitsu conhecidas.

Kyushin Ryu – Surgiu em torno do ano de 1560, e era uma escola de jiu-jitsu muito treinada pelos samurais, pois  especializou-se no treino de técnicas de contato como chutes e socos (atemi-waza).

Daito-ryu aiki-jujutsu – criado segundo registros históricos entre 1060-1100, o Daito-ryu aiki-jujutso é formado por técnicas de contato (atemi-waza) e também por tecnicas de neutralização oriundas do aiki-jujutso, que envolve projeções (nage-waza) e manipulação das articulações. Esta antiga escola de jiu-jitsu influenciou fortemente um dos seus alunos, Morihei Ueshiba, que fundou o Aikido.

Segundo Jigoro Kano, até o periodo da Restauração Meiji (1868), existiam cerca de 100 escolas de jiu-jitsu espalhadas pelo japão. Isso mostra como o jiu-jitsu era popular nas eras antigas japonesas, dos feudos, dos samurais e de guerras constantes, pois era necessário saber uma arte de defesa e ataque. Por ter sido um periodo de constantes guerras e conflitos, evidentemente houve intercâmbio técnico entre outros países, principalmente com a china. Há uma história que diz que um chinês chamado Chen Yuan Ping ensinou três ronin (samurais sem mestre) e estes levaram o jiu-jitsu para o japão. Outra história conta que um médico chamado Akiyama Shirobei, de Nagasaki, aprendeu na china o Hakuda e ao voltar ao japão, criou o jiu-jitsu.

A verdade é que não se pode – e nem se deve – atribuir uma origem única ao jiu-jitsu, simplesmente por ele não ser uma única arte marcial, e sim, um conjunto de artes marciais japonesas. Sem dúvida houve influência chinesa em determinadas técnicas, assim como houve influência japonesa no desenvolvimento de estilos de Kung Fu.  Como diz Jigoro Kano, “não podemos determinar o ano ou o mês em que o jiu-jitsu se iniciou, mas apenas dizer que ele evoluiu desde os tempos antigos através de muitas gerações, graças à genialidade de várias pessoas”.

Entender a história do jiu-jitsu antigo é valorizar os gênios que criaram, desenvolveram e mantiveram vivas estas artes até hoje, permitindo a nós hoje valorizar os mestres que deram origem às nossas artes marciais modernas, respeitando o ponto forte de cada uma destas artes.

 

 

2017 – 2º SEMESTRE

JIU JITSU
Alunos 60
Sexo Masculino e Feminino
Fase e sua respectiva Faixa etária ·         Iniciação – 14 a 17 anos

·         Esporte participativo – acima de 17 anos

Locais de atendimento ·         Academia de Artes Marciais – Jd. São Pedro;

 

Aulas semanais ·         02.
Duração das aulas ·         60 min.
Objetivos Específicos ·         Desenvolver o interesse e a importância da prática esportiva;

·         Desenvolver as áreas pedagógicas de integração social, desenvolvimento psicomotor, cognitivo, sócio afetivo;

·         Desenvolver os aspectos filosóficos, morais, éticos, educacionais e técnicos.

Metas Quantitativas ·         Realizar 05 reuniões por semestre;

·         Atender 60 alunos.

Metas Qualitativas ·         Atendimento de qualidade ao munícipe;

·         Aproximar a pesquisa científica com a atuação profissional;

·         Realizar planejamentos qualificados.

Eventos ·         Avaliações Técnicas semestrais;

·         Cerimônias de Entrega de Faixas.

 

2018 – 1º SEMESTRE

 

JIU JITSU
Alunos 60
Sexo Masculino e Feminino
Fase e sua respectiva Faixa etária ·         Iniciação e Aperfeiçoamento
Locais de atendimento ·         Academia de Artes Marciais – Jd. São Pedro;

·         CIE – Centro de Iniciação Esportiva Jd. dos Altos;

·         Centro Esportivo Engenho Novo.

 

Aulas semanais ·         2 aulas semanais.
Duração das aulas ·         90 min
Objetivos Específicos ·         Desenvolver o interesse e a importância da prática esportiva; Desenvolver as áreas pedagógicas de integração social, desenvolvimento psicomotor, cognitivo, sócio afetivo;

·         Desenvolver os aspectos filosóficos, morais, éticos, educacionais e técnicos.

Metas Quantitativas ·         Realizar 05 reuniões por semestre;

·         Atender 60 alunos nos Núcleos de Formação Esportiva

Metas Qualitativas ·         Melhorar a qualidade do atendimento ao munícipe;

·         Aproximar a pesquisa científica com a atuação profissional;

·         Realizar planejamentos mais qualificados;

Eventos ·         Torneio Integração (Início) – integração com as artes marciais– Judô, Karatê, Kung Fu, Taekwondo e JiuJtsu;

·         Festival Interno de JiuJitsu;

·         Avaliações Técnicas;

 

 

 

 

EQUIPE DE RENDIMENTO – JIU JITSU
Alunos 10
Sexo Feminino e Masculino
Categoria e sua respectiva Faixa etária ·         Juvenil – 14 a 17 anos;

·         Adulto – 18 a 29 anos;

·         Master – acima de 29 anos.

Núcleos de atendimento ·         Academia de Artes Marcias Jd. São Pedro;

·         CIE – Centro de Iniciação Esportiva Jd. dos Altos.

Aulas semanais ·         Todas as categorias – 4 treinos semanais.
Duração das aulas ·         90min
Objetivo Específico ·         Formação esportiva gradual a longo prazo, respeitando as características individuais dos atletas.
Metas Quantitativas ·         Participação em 4 torneios Regionais e Oficiais abertos.
Metas Qualitativas ·         Melhoria na qualidade de atendimento dos atletas e no trabalho dos profissionais envolvidos;

·         Classificação entre 8 melhores em 2 torneios.

Competições previstas para 2018
Categoria Competição Prevista Período Previsto
Todas as Categorias ·         Etapa Paulista;

·         Torneio Aberto;

·         Copa Paulista;

·         Torneio amistoso.

A partir de fevereiro
Eventos ·         Seminários técnicos;

·         Festival Barueri de Jiu-Jitsu.