Judô

O Judô foi criado no Japão, em 1882, por Jigoro Kano, tendo sido baseado no “Jujutsu” (uma arte marcial praticada pelos cavaleiros do Kamakura entre os séculos XII e XIV e outras artes marciais do Oriente, que o Mestre Jigoro Kano fundiu num só desporto).

O Judô depressa conquistou uma enorme popularidade em todo o mundo e foi reconhecido enquanto desporto oficial no seu país de origem, logo no final do século XIX, altura em que a própria polícia japonesa introduziu a modalidade nos seus treinos.

O “Jujutsu” nunca poderia ser considerado um desporto porque, para além de não ter regras próprias, sobressaia negativamente pela força das suas técnicas de defesa pessoal, ministrando “golpes baixos” muito perigosos e até “golpes mortais” que implicavam uma utilização desmedida da força.

Ora, com a criação do Judô, Jigoro Kano quis, acima de tudo, veicular um desporto assente na educação física e não numa luta violenta e sem limites. Assim, modificou o tradicional “Jujutsu”, estudando os golpes e relacionando-os com as leis da dinâmica, da ação e da reação. Selecionou e classificou as melhores técnicas do “Jujutsu”, atribuindo-lhes princípios básicos e estabeleceu normas racionais para tornar a aprendizagem do Judô mais fácil e ao alcance de todos.

Foi precisamente em Fevereiro de 1882 que Jigoro Kano inaugura a sua primeira escola de Judô que, batizada de “Kodokan” (que significa “Instituto do Caminho da Fraternidade”) abriu as suas portas no bairro de Shimoya, em Tóquio. Em 1887, o Judô encontrava-se já dividido em três princípios fundamentais: princípio da máxima eficácia do corpo e do espírito (“Seiryoku Zen’Yo”); princípio da prosperidade e benefícios mútuos (“Jita Kyoei”); e princípio da suavidade (“Ju”).

Em 1932, o Mestre Jigoro Kano levou 200 alunos aos Jogos Olímpicos de Los Angeles onde fizeram uma demonstração que aguçou a curiosidade de todos os presentes. Em 1964, o Judô integrou os Jogos Olímpicos de Tóquio como desporto masculino e, graças à persistência da americana Rusty Kanokogi e de outras mulheres judocas, o Judô feminino tornou-se numa modalidade olímpica em 1988. Hoje, a modalidade também integra os Jogos Paralímpicos e os Jogos Olímpicos Especiais.

O Mestre Jigoro Kano doutorou-se em Judô, o equivalente a ter sido agraciado com o escalão “12º dan”, o único atribuído até hoje e muito justamente, não fosse ele o pai da modalidade. Em 1935 foi condecorado com o prémio “Asahi” pela sua contribuição fantástica para o desporto japonês ao longo de uma vida. O Mestre Jigoro Kano faleceu em 1938, com 78 anos de idade.

 

Luta e regras

As lutas de Judô são praticadas num tatame de formato quadrado (de 14 a 16 metros de lado). Cada luta dura até 5 minutos. Vence quem conquistar o ippon primeiro. Se ao final da luta nenhum judoca conseguir o ippon, vence aquele que tiver mais vantagens.

Ippon: o objetivo do judô é conquistar o ippon (ponto completo). O ippon é conquistado quando um judoca consegue derrubar o adversário, imobilizando-o, com as costas ou ombros no chão durante 30 segundos. Quando o ippon é concretizado o combate se encerra.

Wazari: Outra forma de conquistar o ippon é através da obtenção de dois wazari, que valem meio ponto (vantagem). O wazari é um ippon que foi aplicado de forma incompleta, ou seja, o adversário cai sem ficar com os dois ombros no tatame.

Yuko: Quando o adversário vai ao solo de lado. Cada Yuko vale um terço de ponto.

Koka: menor pontuação do judô. Vale um quarto de ponto. Ocorre quando o adversário cai sentado. Quatro kokas não gera o final da luta, embora ele seja cumulativo.

 

A introdução do Judô no Brasil

A imigração japonesa foi o fator mais importante para o surgimento do Judô no Brasil. A influência exercida por lutadores profissionais representantes de diversas escolas de Ju-jutsu japonês também contribuiu para o desenvolvimento do judô. O início do Judô no Brasil ocorreu sem instituições organizadoras. Apenas na década de 1920 e início dos anos 1930 chegaram ao Brasil os imigrantes que conseguiram organizar as práticas do Judô e Kendô no país. Em São Paulo, destaque para Tatsuo Okoshi (1924), Katsutoshi Naito (1929), Tokuzo Terazaki (1929 em Belém e 1933 em São Paulo), Yassuishi Ono (1928), Sobei Tani (1931) e Ryuzo Ogawa (1934). Takaji Saigo e Geo Omori, ambos com vínculo na Kodokan, chegaram a abrir academias em São Paulo na década de 1920, porém, essa atividade não teve continuidade. Na década de 1930, Omori foi instrutor na Associação Cristã de Moços no Rio de Janeiro e, posteriormente, se radicou em Minas Gerais. No norte do Paraná, nas cidades de Assaí, Uraí e Londrina, o judô deu seus primeiros passos com Sadai Ishihara (1932) e Shunzo Shimada (1935). Os primeiros professores a chegarem ao Rio de Janeiro, foram Masami Ogino (1934), Takeo Yano (1931), Yoshimasa Nagashima (1935-6 em São Paulo e 1950 no Rio de Janeiro) e Geo Omori, vindo de São Paulo (1930 aproximadamente).

A chegada dos primeiros professores-lutadores também deixou o seu legado. Dentre os pioneiros se destacaram, Mitsuyo Maeda e Soishiro (Shinjiro) Satake, alunos de Jigoro Kano. Eisei Mitsuyo Maeda, também chamado Conde Koma, chegou ao Brasil em 14 de novembro de 1914, entrando no país por Porto Alegre. Junto com ele chegaram Satake, Laku, Okura e Shimisu. Em 18 de dezembro de 1915 a trupe de lutadores chegou a Manaus, mas antes disso rodou o Brasil em demonstrações e desafios. Conde Koma se radicou em Belém do Pará, em 1921, enquanto Satake ficou em Manaus, onde ministrava aulas no Bairro da Cachoeirinha ainda na década de 20. Maeda fundou sua primeira academia de Judô no Brasil no Clube do Remo, bairro da cidade velha. A contribuição dos imigrantes japoneses que divulgaram o judô parece ter sido mais importante do que a contribuição de Conde Koma, e seus companheiros lutadores. Da chegada do Kasato Maru ao Brasil (1908) até a Segunda Guerra Mundial, os nomes e as práticas se confundiam. Encontra-se na literatura Judô, Jiu-do, Jujutsu, Jiu-jitsu e ainda Jiu-jitsu Kano, muitas vezes para designar a mesma prática. A institucionalização do esporte, inicialmente organizada pela colônia japonesa, depois sob o controle da Confederação Brasileira de Pugilismo e finalmente a criação da Confederação Brasileira de Judô foram os passos para a diferenciação das práticas de luta e a organização do judô no país.

 

JUDÔ
Alunos 600
Sexo Feminino e Masculino
Fase e sua respectiva Faixa etária ·         Fase Orientação Básica: 7 a 9 anos;

·         Fase Orientação Específica; 10 a 12 anos;

·         Fase de Direção: 13 a 17 anos;

·         Fase Especialização: a partir dos 18 anos;

·         Esporte Participativo: a partir dos 18 anos.

Locais de atendimento ·         Academia de Artes Marciais Jd. São Pedro;

·         Centro Comunitário do Pique. dos Camargo;

·         EMEF Enéias Raimundo da Silva;

·         EMEF Eizaburo Nomura;

·         Secretaria dos Direitos da Pessoa com Deficiência;

·         FIEB Alphaville Maria Theodora Pedreira de Freitas;

·         EMEF Elizabeth Parminondi Romero;

·         EMEF Professor Sidney Santucci;

·         EMEF Professora Naly Benedita B. C. Mancini;

·         EMEIEF Yojiro Takaoka.

Aulas Semanais Academia de Artes Marciais – 03

Os demais locais 02.

Duração das aulas ·         60 min.
Objetivo Específico ·         Desenvolver o interesse e a importância da prática esportiva através da perspectiva do esporte educacional;

·         Desenvolver as áreas pedagógicas de integração social, desenvolvimento psicomotor, cognitivo, sócio afetivo;

·         Proporcionar aprendizado significativo e tomado de consciência vinculado às situações de relevância social e esportiva;

·         Desenvolver um aprendizado contextualizado aos ensinamentos filosóficos, morais, éticos, educacionais e técnicos do Judô.

Metas Quantitativas ·         Realizar 05 reuniões por semestre com os professores;

·         Aumentar o número de unidades didáticas realizadas;

·         Atender 600 alunos na Escola de esportes;

Metas Qualitativas ·         Melhorar a qualidade do atendimento ao munícipe;

·         Aproximar a pesquisa científica com a atuação profissional;

·         Realizar unidades didáticas mais qualificadas;

Eventos ·         Festival Prof. Sadao Doi Judô;

·         Solenidades de Entrega/Promoção de Faixas Anual

 

 

 

2018- 1º SEMESTRE

 

JUDÕ
Alunos 600
Sexo Feminino e Masculino
Fase e sua respectiva Faixa etária ·         Fase 1 – 7 a 09/10 Orientação Básica;

·         Fase 2 – 10 a 11/12 Orientação Específica;

·         Fase 3 – Sub 15 ( 13 e 14 anos);

·         Fase 4 – Sub 17 ( 15 a 17 anos);

·         Fase 5 – Sub 20 ( 18 e 19 anos);

·         Fase 6 – Master acima de 30 anos.

Locais de atendimento ·         Academia de Artes Marciais Jd. São Pedro;

·         CIE – Centro de Iniciação Esportiva Bairro dos Altos;

·         Centro Comunitario do Pq. dos Camargos;

·         Secretaria dos Direitos da Pessoa com Deficiência;

·         EMEF – Prf. Enéias Raimundo da Silva;

·         EMEF – Eizaburo Nomura;

·         Fieb Alphaville – Profa. Maria Theodora;

·         EMEF – Profa. Elizabeth Parminondi;

·         EMEF – Prof. Sidney Santucci;

·         EMEF – Profa. Naly B.B.C. Mancini;

·         EMEIEF – Eng. YojiroTakaoka.

Aulas semanais ·         Academia de Artes Marciais e CIE – 2 a 3 aulas semanais;

·         Os demais locais2 aulas semanais.

Duração das aulas ·         60min
Objetivos Específicos ·         Desenvolver o interesse e a importância da prática esportiva através da perspectiva do esporte educacional;

·         Desenvolver as áreas pedagógicas de integração social, desenvolvimento psicomotor e atividades socioeducativas inerentes ao esporte e a modalidade;

·         Ampliação do universo cultural e corporal;

·         Proporcionar aprendizado significativo e tomado de consciência vinculado às situações de relevância social e esportiva;

·         Desenvolver um aprendizado contextualizado aos ensinamentos filosóficos,morais, éticos, educacionais e técnicos do Judô.

Metas Quantitativas ·         Aumentar o numero de eventos esportivos organizados pela modalidade;

·         Ampliar o acesso do munícipe ao Judo;

·         Realizar 05 reuniões por semestre com os professores;

·         Realizar 02 clínicas Esportivas por ano entre os profissionais.

Metas Qualitativas ·         Melhorar a qualidade do atendimento ao munícipe;

·         Aproximar a pesquisa cientifica com a atuação profissional;

·         Aumentar a credibilidade do trabalho social, educativo e esportivo com a comunidade.

 

EQUIPE DE RENDIMENTO – JUDÔ
Alunos 40
Sexo Feminino e Masculino
Categoria e sua respectiva Faixa etária ·         Sub 13 – Aspirantes;

·         Sub 15 – Especial e Aspirantes;

·         Sub 18 – Especial e Aspirantes;

·         Sub 21 – Especial;

·         Adulto – 21 a 29 anos: Aspirantes e Sênior;

·         Master – acima de 30 anos – Especial.

Locais de atendimento ·         Academia de Artes Marciais

·         CIE – Centro de Iniciação Esportiva – Jd.dos Altos.

Aulas semanais ·         Sub 13 – 3 aulas semanais;

·         Sub 15 e Sub 18 – 5aulas semanais;

·         Sub 21 e Sênior – 5 aulas semanais;

·         Adulto e Master – 4 aulas semanais.

Duração dos treinos 90min.
Objetivos Específicos ·         Propiciar a formação esportiva gradual a longo prazo, respeitando as características individuais dos atletas.
Metas Quantitativas ·         Participação em 5 torneios Regionais e Oficiais abertos.
Metas Qualitativas ·         Melhoria na qualidade de atendimento dos atletas e no trabalho dos profissionais envolvidos;

·         Classificação entre 6 melhores em 3 torneios.

Competições previstas para 2018
Categoria Competição Prevista Período Previsto
Sub 15, 17 e 21 ·         Seletivas Estaduais e Nacionais;

·         Copa São Paulo;

·         Campeonatos Regionais, Estaduais do Interior, Paulistas e Brasileiros;

·         Jogos Abertos da Juventude (Fase Regional e Final Estadual);

·         Campeonato Paulista Estudantil e Estadual Escolar Olímpico (diversas fases);

·         Torneios Amistosos (diversos eventos).

A partir de janeiro
Adulto ·         Campeonato Regional, Estadual e Paulista;

·         Troféu Brasil Inter Clubes;

·         Campeonato Brasileiro Máster.

A partir de janeiro
Eventos ·         Torneio Início de Artes Marciais;

·         Copa Barueri de Judo;

·         Avaliações.